Pages

Mostrando postagens com marcador ele. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ele. Mostrar todas as postagens

A alma em coma.

4




As vezes a inspiração vem de encontro a mim enquanto navego em minha mente sobre assuntos do passado, presente e futuro. E é possível achar graça em como as coisas estão, relativamente falando ao que ocorreu, acho que isso é até bom.

Sei que quando a dor arde queimando o corpo e fazendo a cabeça latejar, a primeira coisa que se pensa é: "Gostaria de ter o dom de voltar o tempo. Refazer as coisas. Refazer...o tempo.". Não tente negar, sei claramente que é assim, ou acha que estaria aqui escrevendo asneiras ─ que provavelmente nunca serão vistas por outros olhos além dos meus ─ por ler na alma de um ser tristonho o quão esse tipo de ferida é visivelmente invisível e dolorosa. O quão a angústia pode machucar mais que um prego enferrujado no pé, comparação tola mas eu sei, você sabe, é praticamente impossível descrever exatamente essa dor. E mesmo assim, eu tento. 

Tento como sempre tentei entender o porque de você ter ido embora e não ter me levado junto. Poxa, eu não iria pedir que me compreendesse a todo instante, apenas sua atenção e seus braços acolhedores me deixariam satisfeita. Por completo. 

Só de lembrar-me de como era meses atrás ao seu lado, sinto-me em um coma alcoólico em qual o álcool, é seu próprio ser. Eu segurava os copos e você os preenchia com palavras, esperanças, promessas. Sem nenhum pudor eu levava o seu próprio ser a minha boca e me deliciava com a sensação que me causava por dentro. Na alma. Em coma de seu amor, não vejo que seja algo negativo, mesmo hoje. 

Mas oh, veja o que tu me causa! Toda vez que vou escrever algo, sempre termino falando de você. Deixa meus textos sem pé nem cabeça, sem sentido pra quem lê ─ desde que quem o leia, não seja nenhum de nós. Deve ser porque o que está em minha mente, quando as vezes a inspiração vem de encontro a mim, é você.


Mas sabe, ainda escrevo sobre você.

13

Não queria comentar nada nesse post, mas só pra ninguém "se perder". Como algumas pessoas pediram ─ e eu já estava planejando, vou começar a publicar textos dos mais derivados assuntos, em especial de amor. Todos os textos publicados serão de minha autoria, ou seja, caso queiram compartilhar, agradeceria muito se colocassem os créditos. E só mais uma coisa, comentem o que acharam desse texto pra eu saber no que devo melhorar e coisas assim, críticas construtivas são sempre muito bem vindas! Obrigada e espero que gostem. bsB


Não sei muito bem explicar porque escrevo tanto sobre você. Mas sabe, quando abro o Word é como se estivesse escrito "digite somente se for sobre ele" aí meu cérebro juntamente com meus dedos e sentimentos fazem um complô contra eu mesma e só sai você em todas as linhas. Não é que escrever sobre você seja ruim. Mas, acaba com todos os meus planos e tentativas de seguir-em-frente-e-ser-feliz. Não que você me faça mal. Só que, não te ter ao acordar não é nada que se possa chamar de agradável e com certeza, alegria também não. 

E enquanto escrevo, lembro de você sorrindo, droga! Não que eu não goste do seu sorriso que, aliás, me deixava igual boba. Só faz um tempo que não o vejo, além de quando vasculho minhas memórias em minha mente. Oh malditas memórias! Não, não que essas lembranças não sejam boas. No entanto, são momentos do passado e não do presente. 

Por que não do presente? Por que não, o presente? Não que o presente esteja tão complicado assim. Mas seria agradável ter você como no passado. E confesso, já fiquei confusa tentando contar o quanto imaginei eu escrevendo textos enormes pra você, se tu estivesse bem aqui, ou bem ali, sabe? Ali, do outro lado da cama do meu quarto tirando uma soneca enquanto eu escreveria sobre como você tem traços angelicais enquanto dorme. É, ali, mas não deixaria de estar aqui. Bem aqui.

Agora, enquanto não deixo de registrar o quanto penso em você, tenho que registrar também o quanto é difícil me acostumar com sua ausência em dias como este. Dias em que fico o dia inteiro pensando em alternativas que me levem até você. Procurando em algum canto desse quarto ausente de sua presença alguma resposta para minhas dúvidas, alguma solução pra colocar você de vez nos meus dias e deixar de ocupar somente meus pensamentos. 

Ah, eu sei, parece bobagem de uma menina-criança-adolescente. Queria eu que fosse. Assim talvez, levaria tudo na brincadeira assim como o pique-esconde ─ ou esconde-esconde como queira, no qual eu estive de olhos fechados enquanto você desaparecia, digo, se escondia em algum lugar por aí e logo voltaria. Mas agora enquanto te procuro, começo a ficar aflita por não te achar tão fácil como imaginei. Vai, aparece logo, nem que você tenha que se esconder de novo ─ mas só de brincadeira ─ vem, corre, só falta você. E quando chegar, pode bater "salva todos" mas antes vem, e me salva.